Um grupo de professores ligados ao Cpers/Sindicato bloqueou, no começo da manhã desta terça-feira, as entradas da Assembleia Legislativa, no Centro de Porto Alegre, em protesto contra o projeto de lei sobre recuperação fiscal, que será apresentado hoje pelo governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori. A presidente do Cpers, Helenir Schurer, afirmou que há pontos específicos do projeto que desagradam a classe de professores, entre eles o ajuste fiscal. A sindicalista lembrou que a categoria não aceita receber o 13º salário parcelado. Helenir negou que o ano letivo esteja sob risco por conta das paralisações dos professores ou por causa da negociação com o governo do Estado. A presidente do Cpers chamou a atenção para o desgaste dos alunos, que serão obrigados a estar em salas de aula sem condições ideais.

O Governo do Estado deverá publicar nesta terça-feira a portaria com os detalhes da convocação de professores voluntários. Os professores aposentados e inativos serão chamados parta suprir a demanda ocasionada pelos servidores ligados ao Cpers / Sindicato, que permanecem em greve há mais de dois meses, em protesto contra o parcelamento dos salários. A carga horária para professor voluntário será de duas a vinte horas semanais. O candidato deverá ter mais de 18 anos de idade e possuir formação superior na disciplina pleiteada. O voluntário terá de assinar um termo de adesão se comprometendo a realizar as atividades pré-acordadas e passará por uma análise de comissão interna da pasta e atender ao plano de ensino da escola.

Cerca de 40 educadores vinculados ao 2º Núcleo do CPERS/Sindicato participaram de uma audiência com a promotora regional da Educação de Santa Maria, Rosângela Corrêa da Rosa, na tarde desta segunda-feira (20), no Ministério Público (MP). No encontro, professores e funcionários de escolas solicitaram uma medição do MP nas negociações com o governo do Estado. A promotora ouviu todas as demandas e solicitou que a direção do 2º Núcleo encaminhe um documento listando todas as reivindicações. O diretor-geral do 2º Núcleo, Rafael Torres, considerou a audiência satisfatória, pois abriu um canal de diálogo com o MP para discutir a educação. Até sexta-feira (24), Torres pretende entregar um ofício ao MP com todas as reivindicações da categoria. Também neste dia, às 13h30min, no Gigantinho, em Porto Alegre, o CPERS realiza Assembleia Geral Extraordinária para definir a continuidade ou não da greve iniciada em 5 de setembro.

Central de Jornalismo – Fabricio Minussi (MTB 11.110)

Com informações de agências

Foto: Guilherme Testa

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA