O temporal que atingiu o Rio Grande do Sul neste domingo (1) destelhou mais de 700 casas. Pelo menos 14 municípios sofreram estragos em razão dos fortes ventos que atingiram o Estado no final da tarde e começo da noite. Um dos municípios mais atingidos foi Júlio de Castilhos, onde 300 casas foram destelhadas e 17 postes caíram, deixando boa parte da cidade sem luz. Na tarde de ontem a BR 158 permaneceu bloqueada, devido à queda de árvores. As escolas municipais estão sem aulas nesta segunda-feira (2). Houve registro de danos a prédios públicos em Júlio de Castilhos, conforme relatou em entrevista à Rádio Medianeira o prefeito João Véstena.

OUÇA A ENTREVISTA COM O PREFEITO DE JÚLIO DE CASTILHOS

De acordo com a Defesa Civil, Santo Ângelo e Tupanciretã registraram mais de 100 casas destelhadas, cada. Em Capão do Cipó, também cerca de 300 casas foram destelhadas. O posto de saúde da cidade sofreu danos. Boa parte do município está sem luz, água e internet. Houve, também o bloqueio parcial da BR 392, em Caçapava do Sul, devido à queda de árvores. Em Santiago, também houve registro de forte chuva de granizo, que não chegaram a causar danos.

Em Ijuí um idoso de 65 anos morreu atingido por uma árvore. Em Santa Maria, apesar da chuva forte e vendaval, não houve registro de estragos. Em Boca do Monte choveu quase 40 milímetros. Hoje pela manhã, a sinaleira do cruzamento das ruas André Marques e Venâncio Aires estava no amarelo. Em Porto Alegre um lonão do Circo Russo desabou em cima de 70 pessoas. Ninguém ficou ferido gravemente. Há registros de falta de luz em várias regiões do RS.

FALTA DE ENERGIA

temporal da noite do domingo ainda causa problemas para a população de diversas cidades do Rio Grande do Sul. Segundo as concessionárias, ao todo, 223 mil estão sem energia elétrica no Estado.

SITUAÇÃO EM SANTA MARIA

Segundo o coordenador da Defesa Civil Municipal, Cladmir Nascimento, até esta segunda-feira (02), nenhum pedido de ajuda, em função de alagamento ou destelhamento, foi feito ao órgão, em decorrência da chuva e vendaval de domingo (1). Os principais registros foram em cidades da Região Central, como Júlio de Castilhos, Tupanciretã e Cruz Alta, que solicitaram auxílio da Defesa Civil local para a aquisição de lonas.

PLUVIÔMETROS

Conforme a marcação dos pluviômetros instalados Santa Maria, nas últimas 24 horas choveu uma média de 23 milímetros. A marcação levou em conta cinco aparelhos, sendo que o que está localizado no Bairro Presidente João Goulart foi o que registrou o maior acúmulo de chuva: 32.2 milímetros.

BOMBEIROS

O Corpo de Bombeiros de Santa Maria também não registrou graves danos. Conforme a guarnição, as principais ligações foram em função de queda de árvores. Entre os casos, a corporação atendeu, ainda no domingo, uma queda de árvore na em Vila Brígida, no Distrito de Arroio Grande. No local, uma estrutura caiu em cima de uma casa, na Avenida Assis Brasil, sem maiores prejuízos.

Centram de Jornalismo – Fabricio Minussi (MTB 11.110)

Com informações do site Correio do Povo e Prefeitura de Santa Maria

Foto: Luís Roberto / Especial / Reprodução

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA