Cerca de 200 educadores estaduais participaram da assembleia regional realizada na tarde desta quarta-feira (27), no Instituto de Educação Olavo Bilac. Uma das principais decisões tomadas foi a intensificação da greve iniciada em 5 de setembro.

“O fim da greve não está na nossa pauta. Na sexta-feira (29), na assembleia geral, em Porto Alegre, vamos discutir como ampliar a nossa mobilização”, projeta o diretor geral do 2º Núcleo, Rafael Torres.

Os educadores também aprovaram a unificação de atos com outras categorias de servidores públicos, além da realização de piquetes em frente às escolas com períodos reduzidos ou com aulas normais. Na região Central do Estado, 54 instituições estaduais estão paralisadas total ou parcialmente pela greve.

Nesta quinta (28), o governo do Estado deve anunciar como será realizado o pagamento dos salários na sexta. Conforme anunciado na segunda (25), os servidores que ganham menos serão os primeiros a serem pagos.

Propostas aprovadas na assembleia desta quarta:
– Manutenção da greve, fim do parcelamento e retirada de PECs e PLs, da Assembleia Legislativa, que atacam os servidores;
– Fortalecer a mobilização;
– Usar mais a mídia e unificar atos com outros servidores;
– Disputar a opinião pública para debater o discurso de Sartori;
– Politizar ainda mais a greve (greve não é só por salário);
– Estimular o debate político da greve;
– Realizar piquetes/tendas em frente às escolas que estão com períodos reduzidos ou com aula normal;
– Passar nas escolas onde colegas sofrem pressão por parte das direções ou Coordenadoria Regional de Educação (CRE).


Greve dos educadores estaduais segue por tempo indeterminado

Central de Jornalismo – Fabricio Minussi (MTB 11.110)

Maiquel Rosauro, Jornalista (MTB/RS 13334)
Assessor de imprensa
2º Núcleo do CPERS/Sindicato

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA