Muitos consumidores santa-marienses poderão ficar sem gás de cozinha a partir desse final de semana. O alerta vem das distribuidoras da cidade que, nesta sexta-feira (16), operam com o limite do estoque para abastecer os pontos de venda da cidade. O proprietário da JA Gás – distribuidora Liquigás, Aldoir de Lima, na manhã de hoje foi liberado o último carregamento do estoque reserva, de 60 botijões de 13 quilos, sem a previsão de que um novo carregamento chegue até o final do dia.

Segundo ele, o problema estaria na refinaria de Canoas, que diminuiu as remessas, sem justificar a causa. “Se continuar assim vamos ter um colapso na distribuição do gás de cozinho. Já pode faltar botijão nesse final de semana para o consumidor”, alertou Aldoir.

Já o coordenador de vendas da distribuidora Supergásbras, Cristiano Salata, disse que a empresa está trabalhando no limite do estoque, tendo reduzido a oferta do produto às revendas. Segundo ale, clientes que recebiam 300 botijões, agora, recebem 150 unidades. Salata afirmou que um novo carregamento está previsto para chegar à distribuidora ainda na tarde desta sexta-feira, sendo que a distribuição seguirá sendo feita com redução de oferta aos revendedores.

Salata avalia que o desabastecimento das refinarias seria resultado da deficiência na infraestrutura de distribuição da Petrobrás. “O produto existe, mas ele não está chegando nas distribuidoras de forma a atender a demanda”, afirmou.

A falta do botijão de gás de cozinha nas distribuidoras de Santa Maria já afeta o consumo em municípios vizinhos. Em Itaara, pro exemplo, o principal revendedor da cidade já está sem o produto para oferta. “Vendi meu último botijão agora cedo de manhã e não tenho mais estoque”, disse o proprietário de um ponto comercial do município da Serra, João Carlos Bopp Filho.

O Sindicato das Empresas Distribuidoras, Revendedoras e Comercializadoras de Gases no Estado do Rio Grande do Sul, a Singasul, já havia alertado sobre a dificuldade em manter seus estoques devido a falta de gás nas companhias distribuidoras de Canoas. Os revendedores foram orientados pelas companhias distribuidoras a atender somente o consumidor final, pois a chance de racionamento na compra é grande.

A causa, ainda não oficial, dá conta de que há uma contaminação do gás em uma refinaria no Sul do País. Refinaria não nominada. O Singasul em contato com revendedores do Estado,  ouviu diversas versões, entre elas, a dificuldade de acesso de um navio a Canoas, tendo necessidade de transporte de fora do Estado via terrestre.

Não há uma posição oficial da Petrobrás sobre o assunto, até o momento. Não descarta-se uma elevação de custo de frete e produto que causaria um aumento de preços ao consumidor final.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA