O Tribunal de Justiça do RS julga, na tarde desta segunda-feira (22), em Porto Alegre, o pedido de exceção da verdade, que é um recurso específico para ações de crime contra honra, em relação ao processo movido pelo promotor Ricardo Lozza contra pais de vítimas da Kiss. O presidente da Associação de Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), Sérgio Silva, e o vice-presidente Flávio Silva, são alvo da ação de Lozza por calúnia e difamação. O pedido feito pela defesa de Flávio, será julgado pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça, pois Lozza tem foro privilegiado. Em abril de 2015, Sérgio e Flávio afixaram cartazes com a foto de Lozza acompanhada do texto: “O MP e seus promotores também sabiam que a boate estava funcionando de forma irregular.”

CORTE INTERNACIONAL

Na próxima quinta-feira, dia 25, o diretor jurídico da Associação de Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), Paulo Carvalho, e a advogada Tâmara Biolo Soares, coordenadora do Instituto Juntos, serão recebidos pelo norte-americano James Cavallaro, que é um dos sete integrantes da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), que irão tratar da petição Internacional apresentada neste ano e que pede a responsabilização do Brasil pela tragédia da Boate Kiss. Tâmara, que atuou como advogada na CIDH por três anos e meio, é a autora da petição ao organismo internacional. O encontro acontecerá durante a 162º Período Extraordinário de Sessões que a CIDH organiza de 22 a 26 de maio em Buenos Aires, na Argentina.

Central de Jornalismo – Fabricio Minussi (MTB 11.110)

Foto: Arquivo / A Razão

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA