A nova fase da Operação Avante, da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, vai contar com cerca de 600 policiais – com efetivos do BOE de Santa Maria e Passo Fundo – para potencializar o combate à criminalidade em Porto Alegre e Região Metropolitana. A terceira etapa da força-tarefa foi lançada, nesta terça-feira (16), no Parque Marinha do Brasil, em Porto Alegre.

Ao todo, são cerca de 400 policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (BOE) de reserva, que voltarão a atuar no policiamento ostensivo nas ruas, e o efetivo de 200 policiais da Força Nacional de Segurança Pública, que já atuam no estado desde agosto de 2016.

Também foram entregues os novos armamentos para uso da Brigada Militar em municípios do interior do estado. São 200 escopetas calibre 12, compradas pela primeira vez em quase dez anos, e 47 fuzis 5.56 para uso em ocorrências.

No lançamento desta que considera a mais ampla fase da Operação Avante, o governador José Ivo Sartori reconheceu que a Segurança é uma preocupação da sociedade. “Vivemos um momento de intolerância no país e no Rio Grande. Defendemos a prevenção por meio do trabalho social, mas é necessário demonstrar força na repressão, para que os delinquentes saibam que o crime não compensa”, afirmou.

Sartori falou ainda sobre a importância da integração das forças de Segurança Pública com a comunidade do Rio Grande do Sul para o combate à insegurança.

O secretário Cezar Schirmer lembrou do esforço do governador, diante da crise financeira, para honrar com os compromissos na área e reforçou a relevância da unidade para o “enfrentamento constante de toda forma de criminalidade em qualquer canto do estado”.

O comandante-geral da Brigada Militar, Andreis Silvio Dal’Lago, falou que 80% dos crimes do estado ocorrem em Porto Alegre e Região Metropolitana, e ressaltou que o eixo principal da nova fase da operação, que continua baseada na análise criminal, inteligência policial e integração entre as instituições, é mudar a percepção de segurança da sociedade. “Nós entendemos que o cidadão tem que perceber a presença do Estado, a força do policial e diminuir seu medo. Quem tem que ter medo é o delinquente, aquele que infringe a lei”, concluiu.

Reforço na capital não enfraquece o interior

A transferência do efetivo de 400 policiais do Batalhão de Operações Especiais (BOE) de reserva, lotados em Santa Maria e Passo Fundo, para Porto Alegre e Região Metropolitana não representa prejuízo à segurança do interior do estado.

Conforme explica o comandante Dal’Lago, assim como em todas as fases da operação, os policiais são retirados temporariamente do interior. “Eles serão compensados com horas extras, como foi no ano anterior e há também um rodízio de efetivo, portanto, não haverá prejuízo”, afirma.

Além da compensação ao policiamento ostensivo, as quotas de horas extras para os comandos regionais também serão ampliadas. Somado a isso, o encerramento da Operação Verão para Todos permitiu que o efetivo no litoral retornasse para o interior, para atender às demandas de suas cidades de origem.

Central de Jornalismo – Fabricio Minussi (MTB 11,110)

Texto: Letícia Bonato
Edição: Denise Camargo/Secom

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA