O Hospital Universitário de Santa Maria (Husm)informou na tarde desta quarta-feira (22), que abriu um processo administrativo interno para investigar a suspeita de que o filho do vereador Admar Pozzobom (PSDB), Giovani Pozzobom, de 27 anos, teria, supostamente, furado a fila do Sistema Único de Saúde (SUS), para a realização de uma cirurgia de apendicite. As informações são do jornal Diário de Santa Maria.

O fato, segundo o Husm, teria ocorrido no dia 9 de fevereiro. Giovani teria sido encaminhado ao Pronto Socorro (PS) do Hospital, por meio de um plano de saúde privado e não por consulta prévia realizada em unidade básica de saúde. A suposta irregularidade teria sido detectada pelo sistema interno do Husm.

Não está descartada uma sindicância para averiguar se teria havido algum tipo de favorecimento no atendimento ao filho do vereador, que também é presidente da Câmara Municipal e irmão do prefeito de Santa Maria, Jorge Pozzobom (PSDB). Entre as bandeiras do chefe do Executivo está o programa Fila Zero, que visa acabar com a lista de espera de cerca e 60 mil consultas e exames pelo SUS, que estão sendo reagendadas pela Prefeitura. Na tarde de terça-feira (21), durante a abertura do ano legislativo, o chefe do Executivo, ao discursar na Tribuna Legislativa, afirmou que no seu governo “ninguém vai furar a fila do SUS ou obter qualquer tipo de favorecimento”.

Entre os procedimentos que devem ser adotados dentro do processo administrativo interno instaurado, está a solicitação das imagens das câmeras de vigilância do PS e as gravações telefônicas do hospital, que são todas gravadas.

No início da noite desta quarta-feira o vereador Admar Pozzobom publicou uma nota oficial no seu perfil pessoal no Facebook, negando qualquer tipo de irregularidade. Confira a nota, abaixo.

NOTA DE ESCLARECIMENTO
Diante dos fatos divulgados tendenciosamente e claramente devido a minha posição política, os quais sugerem acusacões graves e infundadas a minha pessoa, venho através desta publicação, prestar esclarecimento de forma oficial dos fatos ocorridos na cirurgia de meu filho no HUSM.
Na útlima semana, meu filho passou mal e busquei atendimento imediato na Protege, lá o médico Felipe Pizzolato detectou uma apendicite grave e o encaminhou com urgência ao Hospital Universitário para operação, chegando lá, fizemos todos os procedimentos de praxe que qualquer cidadão faz, e ficamos aguardando, quase 6 horas depois ele foi chamado para a operação. Em momento algum utilizei minha posição de presidente da Câmara de Vereadores de Santa Maria para passar na frente de qualquer cidadão, uma vez que não existe fila para atendimento de urgência, todos sabem a gravidade de uma apendicite grave e que ela pode levar a morte. Confio no SUS e na competência do atendimento público, sempre consultei através do Sistema Único de Saúde, no posto de saúde da Vila Kennedy quando precisei, agendando consulta, nunca passando na frente de ninguém, isso vai totalmente contra meus princípios, minha marca é a ética e a responsabilidade, e minhas atitudes durante toda minha vida, comprovam isso. A denúncia na qual expõe eu e minha família a uma situação duvidosa é extremamente maldosa, política e me entristece, pois em uma situação de urgência, qualquer médico tem a autonomia para encaminhamento na rede pública hospitalar, e foi o que ocorreu. Estou a disposição para averiguação dos fatos e de consciência tranquila de que tudo ocorreu dentro da lei.

Vereador Admar Pozzobom,
Política séria e com responsabilidade

Central de Jornalismo

Foto: Reprodução

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA