Santa Maria revive hoje o dia mais trágico de sua história, quando 242 pessoas perderam a vida e mais de 600 saíram feridas do incêndio da Boate Kiss, na madrugada de 27 de janeiro de 2013. No que depender dos organizadores dos eventos Janeiro 27 – 4 Anos – Memória e Futuro, este não será um dia marcado de tristeza, mas de homenagens e reflexão.

Quatro anos depois de incêndio, 400 pessoas ainda precisam de cuidados médicos

“Temos cerca de dez pessoas organizando as atividades desta sexta-feira. Esperamos um grande público, pois temos a obrigação de não nos esquecermos de tudo o que aconteceu e seguir a luta por justiça”, afirma o presidente da Associação dos Familiares das Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), Sergio da Silva.

Pais de vítimas ainda buscam Justiça

O primeiro ato teve início ainda no domingo passado com a pintura do túnel do Viaduto Evandro Behr. Um grupo de universitários foi o responsável pelo grafite (leia mais na página 10).

Para ontem à noite estava programada uma homenagem às vítimas, na tenda da AVTSM, na Praça Saldanha Marinho. Logo depois, os participantes seguiriam em uma caminhada em direção à Boate Kiss, na Rua dos Andradas.

Hoje, a programação tem início às 9h com uma roda de conversa no auditório da SUCV. Irão participar profissionais que atuaram ou ainda atuam em atividades ligadas à tragédia. O foco do encontro estará nas ações e desafios em torno do incêndio e suas consequências.

A partir das 15h, a Praça Saldanha Marinho irá abrigar uma série de eventos, incluindo apresentações musicais e teatrais. A Base Aérea, o Coral Orquestrando Ulbra (formado por crianças), a cantora e compositora Giovanna Maira, a Companhia Sorriso e a Banda da 3ª Divisão do Exército confirmaram presença no ato.

Ainda na Saldanha Marinho, às 17h, um culto ecumênico será celebrado por representantes de diferentes religiões. Uma hora depois, haverá o toque dos sinos de igrejas de Santa Maria.

Uma história de toda a cidade

De acordo com a programação, às 18h20, o presidente da AVTSM irá realizar um discurso. Sua mensagem terá uma breve narrativa sobre como os pais vivenciaram os primeiros minutos da tragédia e irá encerrar com uma convocação aos santa-marienses.

“O objetivo é sensibilizar a população, pois o papel que os pais ocupam hoje poderia ser de qualquer um. Esta não é uma história apenas dos sobreviventes ou daqueles que perderam entes queridos, é a história da cidade”, explica a psicóloga Rosana Dorio Bohrer, uma das organizadoras dos eventos.

Um dos mais momentos mais emocionantes do dia está previsto para as 18h40, quando 242 balões serão soltos. Na sequência, está programada a apresentação de um corneteiro da Brigada Militar, a exibição de um vídeo feito pela TV Ovo e um colóquio (confira no quadro a agenda completa).

Os eventos desta sexta são realizados pela AVTSM, Instituto Condor, Acolhe Saúde, TV OVO e pelos movimentos Santa Maria do Luto à Luta – Meu Partido é um Coração Partido e Kiss: Que não se Repita. As atividades também contam com o apoio da Prefeitura de Santa Maria.

Na TV

O canal de TV a cabo Prime Box Brasil exibe hoje, às 20h, na faixa Prime Doc, o documentário Janeiro 27. A obra cinematográfica foi realizada pela produtora Accorde Filmes e aborda relatos de sobreviventes, familiares e amigos das vítimas. O documentário foi lançado em 2014 e tem direção de Paulo Nascimento e Luiz Alberto Cassol.

Caminhões dos Bombeiros são excluídos da programação

A programação oficial dos eventos desta sexta-feira sofreu um revés. Às 18h40, quando 242 balões serão soltos, dois caminhões dos bombeiros estariam na Praça Saldanha Marinho e tocariam as sirenes. Porém, apenas os balões serão mantidos na homenagem.

A presença do Corpo de Bombeiros rendeu críticas de diversos pais. Algumas famílias garantem que não participariam dos atos caso a corporação tivesse uma presença oficial.

“Como eu vou aplaudir quem é responsável pela morte da minha filha?”, questionou um pai que entrou em contato com o jornal A Razão e preferiu não se identificar.

Ciente do problema, a AVTSM realizou ontem uma reunião com o Comando dos Bombeiros. Durante o encontro, ficou acertado que os caminhões não serão posicionados na Praça Saldanha Marinho.

“Tocar as sirenes representaria um grau de sofrimento muito grande. Inclusive, os bombeiros estavam reticentes quanto a este ato”, afirma a psicóloga Rosana Dorio Bohrer.

Agenda desta sexta-feira

9h – Roda de conversa com profissionais que atuaram ou atuam em atividades ligadas à tragédia, sobre ações e desafios em torno do acontecimento, no auditório da SUCV (Rua Venâncio Aires, 1934, esquina com a Avenida Rio Branco, no Centro);

15h – Apresentações musicais e teatrais: corneteiro da Base Aérea, Coral Orquestrando Ulbra, cantora Giovanna Maira, Companhia Sorriso e Banda da 3ª Divisão do Exército;

17h – Culto ecumênico na Praça Saldanha Marinho, com representantes de diferentes;

18h – Toque dos sinos de igrejas da cidade;

18h20 – Leitura de uma mensagem do presidente da AVTSM, na Praça Saldanha Marinho;

18h40 – 242 balões serão soltos na praça;

19h15 – Corneteiro da Brigada Militar faz homenagem na praça;

19h20 – Apresentação de um vídeo de homenagem, feito pela TV OVO;

19h30 – Colóquio com o professor da Unicamp, tradutor e crítico literário Márcio Seligmann, a professora doutora Rosana Dorio Bohrer, psicóloga e especialista em Emergências e Desastres, Gestão de Crise e Programas de Family Assistance, além de uma sobrevivente da tragédia e um familiar de vítima. A atividade ocorre sob uma tenda na Praça Saldanha Marinho.

Fonte: AVTSM

Central de Jornalismo – Fabricio Minussi

Reportagem: Maiquel Rossauro / A Razão
Foto: Ronald Mendes / A Razão

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA